Páginas

Cursos Gratuitos

quarta-feira, março 31, 2010


Trinca Ferro Cinza - Saltator coerulescens
TRINCA-FERRO

Os Trinca-ferros são pássaros pertencentes à família dos fringilídeos. São várias as espécies encontradas em quase todo o território nacional e também na fronteira da Argentina e da Venezuela. Suas características físicas, como cor da pelagem, variam um pouco de região para região, assim como seu canto. Trata-se de um dos pássaros mais apreciados pelos ornitólogos e amantes das aves silvestres, especialmente porque se adaptam facilmente aos torneios de canto coletivos (roda). Na natureza, dependendo do número de exemplares de um mesmo grupo, do tamanho e da topografia da região, as aves apresentam o mesmo canto, ou, quando esse grupo é muito grande, pode acontecer de existirem linhagens com características canoras diversas. Os fatores genéticos é que determinam as características timbrísticas e os diferentes estilos de canto, que, de modo geral, é forte e melodioso.

CORES

Também chamado de Pixarro, Estêvão, Bico-de-ferro, Garganta-de-ferro etc., o Trinca-ferro pode apresentar as seguintes cores: corpo verde-acinzentado, garganta branca e canela, margeada de preta ou garganta branca (pode ser também amarelada) e face cinza; cinzento, garganta levemente amarelada, margeada de preta; verde-acinzentado, face e garganta pretas, bico alaranjado, entre outras. Não há dimorfismo sexual nessas aves, o macho tem a mesma cor e a mesma aparência da fêmea. Os trinca-ferros alimentam-se basicamente de grãos, frutas e verduras. Em cativeiro, pode-se oferecer ração balanceada com o mínimo de 15% de proteína bruta.

ESPÉCIES:

Como já citado anteriormente, há várias espécies de Trinca-ferros. Abaixo descrevemos as características de três tipos distintos de Trinca-ferro.

TRINCA-FERRO SALTATOR SIMILIS

PERÍODO REPRODUTIVO: julho a novembro

CARACTERÍSTICAS: Possui o mesmo bico negro e forte que originou o nome comum dessas aves. Como no tempera-viola, dorso verde, cauda e lados da cabeça acinzentados, separando-o do pixororé. Por baixo, domina o cinza nas laterais, tornando-se marrom alaranjado e branco no centro da barriga. Asas esverdeadas. Vive na matas ciliares, cerradões e mata seca, geralmente solitário. Entre julho e novembro está no período reprodutivo, formando casais e afastando os outros trinca-ferros do local, agressivamente. O canto do macho é o mais melodioso sendo repetido, continuamente, ao longo do dia durante a nidificação. Compõem-se de 4 ou 5 sílabas separadas, assobiadas, as duas primeiras mais rápidas e a última mais lenta. A segunda e a penúltima mais altas. Devido a esse canto, é uma ave perseguida pelo comércio ilegal. Ocorre em todo o centro-oeste, além de parte do nordeste, Mata Atlântica e sul do país. Seu canto varia um pouco de região a região, embora mantenha o mesmo timbre. Está sempre associado às matas, ocupando o estrato médio e superior. Usa as mesmas fontes alimentares conhecidas para as espécies precedentes.

TRINCA-FERRO SALTATOR MAXIMUS - O trinca-ferro (Saltator Maximus) é uma ave passeriforme, fringilídea, que ocorre no Brasil e países limítrofes, de coloração geral olivácea, cabeça acinzentada, garganta ocre-clara, peito e abdome cinzento-oliváceo, lavado de ocre no meio.

TRINCA-FERRO SALTATOR COERULESCENS - conhecido também por: Trinca-ferro-da-amazônia, Gonga. Distribuição: Amazônia, Bahia, Minas Gerais, Maranhão, Piauí e Mato Grosso. Habitat: Vive à beira de rio, pântanos e campos sujos. Características: 20,0cm de comprimento. O casal pode cantar sincronizadamente. Fêmeas e filhotes Não há dimorfismo sexual. Juvenil de costas e peito esverdeados e bico com manchas cinzentas. INCUBAÇÃO: 2 a 3 posturas por temporada, 2 a 3 ovos/postura, 13 dias de incubação, podendo os filhotes serem separados da mãe aos 35 dias de idade.





segunda-feira, março 29, 2010

Iniciando uma criação.

Quando a idéia é a simples manutenção de alguns pássaros tudo se torna mais fácil. Quando, no entanto, resolvemos nos dedicar à reprodução e, principalmente, à seleção de pássaros competitivos as coisas se complicam e nos é exigido um cuidado especial.
A primeira pergunta é sempre a mesma: à criação de quais aves irei dedicar-me e que tipo de pássaros desejo produzir?
Se você está lendo esse texto, muito provavelmente está interessado pelos bicudos. Ótima escolha. São realmente pássaros muito especiais.

O primeiro passo será o cadastramento no SISPASS. Apesar de ser possível a manutenção de pássaros em cativeiro sem esse registro, esses terão de ser adquiridos de criatórios comerciais, com nota fiscal, ficando essa a disposição da fiscalização. Sem o referido cadastro não são possíveis a reprodução e o registro de filhotes, nem as transações de pássaros entre criadores.

Os bicudos são selecionados para as disputas de fibra, onde o que importa é a sua capacidade de repetir o canto frente aos adversários. Embora atingir um nível competitivo não seja nada fácil, a despreocupação com a qualidade do canto simplifica bastante o manejo e exige menor investimento em instalações e equipamentos. Também é mais abundante a oferta de bons exemplares, posto que a modalidade reúne a maioria dos criadores. A seleção de pássaros para as provas de canto clássico implica em dificuldades com instalações acusticamente isoladas e a oferta de matrizes de qualidade é mais restrita. Se a opção for pelo canto ainda há que ser definido o canto da preferência do criador.

Com quantos pássaros iniciar?
Entendemos que a reprodução dos bicudos está simplificada pela quantidade de informações disponíveis, pela facilidade de obtenção de alimentos, medicamentos e equipamentos de excelente qualidade, e, principalmente, pela possibilidade de adquirir matrizes que são reproduzidas em cativeiro há muitas gerações. Mas se isso bastasse, todos teriam sucesso e os bicudos já estariam entulhando as paredes das lojas, comercializados como outros pássaros de menor valor. A figura do criador é decisiva no processo. Ele precisa conhecer a individualidade de cada um dos seus pássaros. Tem que desenvolver a sensibilidade para saber o momento de cada detalhe do manejo. Isso não pode ser comprado ou aprendido nos livros. É necessário conviver com os pássaros.
Um casal é pouco para desenvolver a experiência do novo criador por restringir o universo de referência. As comparações são fundamentais. Também pode ocorrer que determinada fêmea não seja dotada de habilidade materna, que não seja fértil, que uma não aceite um galador e acasale bem com outro. As variáveis são inúmeras e o iniciante que não obtiver sucesso na reprodução do seu primeiro casal, nunca saberá se errou ou se o fracasso ocorreu por força maior. Um número demasiado de pássaros implicaria em muita mão de obra no manejo, que roubaria tempo que o novo criador deve dedicar à observação e ao estudo. Acreditamos que um excelente início seria com 2 machos e 4 fêmeas, de linhagens diferentes. Essa quantidade permitiria o desenvolvimento de todas as técnicas de manejo e seleção. Melhor ainda seria adquirir um bicudo adulto, cujo canto lhe agrade e que cante com um mínimo de 6 repetições, para professôr ou mestre de canto. Em seguida adquirir os primeiros filhotes, preferencialmente os machos devem ter nascido no início da temporada de reprodução. Dessa forma conviverão mais tempo com o professôr aberto e cantando muito. Mesmo que o objetivo seja a produção de pássaros para fibra, um canto agradável é fundamental no criatório.

Onde obter bons pássaros?
Naturalmente as melhores chances de adquirir bons exemplares estão nos melhores criatórios. Observe que escrevi melhores e não maiores. Admitimos que exista a possibilidade de um pássaro com potencial para ser campeão nacional estar cantando em baixo de uma mangueira, no quintal da casa de alguém que não se interessa por torneios. Isso, no entanto, seria a exceção e não a regra. Um bicudo pode ser muito bom no prego da varanda e não ter fibra suficiente para enfrentar a maratona dos torneios. Não é fácil para um pássaro ser transportado por 1.500 Km e superar concorrentes locais em uma roda de fibra. O maior referencial são sempre os torneios oficiais. Criatórios que produzem pássaros que se apresentam bem nos torneios são os indicados para o fornecimento de matrizes. Observe que alguns proprietários de pássaros campeões não se dedicam com afinco à reprodução, optando por adquirir pássaros de outros criadores. Procure adquirir filhotes de bicudos de sucesso comprovado, porem acostume-se com a idéia de que o campeão é o fenômeno. O que devemos buscar é um elevado padrão genético, adquirindo exemplares de boas linhagens, com produção acima da média.
O iniciante não deve adquirir pássaros adultos para formar um plantel, salvo seu professôr de canto.. Se um pássaro adulto for bom, seu preço será inadequado para quem está iniciando a criação. Se for barato certamente não terá a qualidade desejada. A idéia de comprar um ruimzinho mesmo só para começar, e depois ir melhorando com o tempo, é a receita certa para a frustração total. O mais caro em um bicudo é o tempo e a atenção que lhe dedicamos. É importante lembrar que um filhote adquirido nessa temporada poderá lhe fazer companhia por trinta anos, se for bem cuidado. É melhor adquirir um pássaro que lhe agrade, ainda que implique em um investimento maior.

Instalações necessárias.
Naturalmente que instalações são necessárias. Ninguém irá iniciar uma criação de bicudos pela construção de uma estrutura adequada a um grande criatório. Há necessidade de alguma experiência e da definição das particularidades do manejo para que um criador possa definir suas reais necessidades. Para o início pode ser improvisado um cômodo que atenda as mínimas condições de conforto e tranqüilidade para os pássaros. Manter um bicudo em área movimentada é uma coisa. Esperar que a reprodução se concretize é outra bem diferente. O melhor é que se disponha de um espaço privativo para que as fêmeas choquem e criem os filhotes, longe dos galadores.
O local deve, no entanto, atender a alguns quesitos. Os pássaros devem acordar com o clarear do dia e dormir ao anoitecer. Permanecer em um ambiente onde se liga e desliga a iluminação artificial levará os bicudos ao stress. O sol é, ao mesmo tempo, um grande aliado e um inimigo perigoso. Enquanto a luz solar é fundamental à saúde, o sol incidindo diretamente sobre as gaiolas poderá matar um pássaros em pouco tempo, basta um descuido. Ambientes escuros, úmidos ou sujeitos as variações bruscas de temperatura inviabilizam a reprodução e criação dos filhotes. A falta de circulação de ar é terrível. Correntes de ar são piores ainda. Nada muito diferente do que nós mesmos necessitamos. Lembre-se de reservar espaço para o aumento do plantel.

Que tempo é necessário dedicar aos pássaros?
Quem entender as tarefas ligadas ao manejo como um árduo trabalho a ser realizado escolheu o hobby errado. Devemos sentir prazer ao manejar nossos bicudos. O tempo imprescindível ao manejo de um plantel modesto não é muito grande. Mas certamente há necessidade de tempo disponível. Essa é uma questão a ser pensada antes de adquirir um pássaro, ou qualquer animal de estimação. É preciso examinar a questão das viagens.
Quanto mais tempo passarmos com nossos bicudos melhor. Os bicudos se afeiçoam muito ao criador que os maneja. Alegram-se ao vê-lo. Há casos de ótimos bicudos que foram transferidos para outro criador e nunca mais apresentaram o mesmo rendimento.

Equipamentos necessários.
No mínimo as gaiolas, bebedouros, comedouros, rações e misturas de sementes devem ser adquiridos antes da compra do primeiro pássaro. A necessidade ira orientar as próximas aquisições. É horrível alguém chegar a uma loja de animais, com um pássaro recém adquirido dentro de um transportador, querendo comprar gaiola e ração.

Toda a gaiola deve conter:
-U m bebedouro, preferencialmente de cor âmbar para proteger medicamentos da ação da luz e com capacidade de 50 mL. Pequenos bebedouros usados para ministrar vitaminas são uma economia que não apresenta bom resultado. Por armazenar uma pequena quantidade de água, essa se deteriora rapidamente quando resíduos de comida existentes no bico dos pássaros são derrubados no bebedouro.

-Uma vasilha com areia e grit mineral. A areia é ingerida pelos pássaros para auxiliar no processo da digestão, por não possuírem dentes. O grit mineral complementa sua dieta. Basta uma pequena vasilha do tipo porta-vitaminas para resolver o problema.

-Um pedaço de siba ou equivalente, para que o pássaro possa receber suplementação de cálcio. O próprio pássaro saberá regular o consumo segundo sua necessidade.

-Uma vasilha para farinhadas, que poderá ser do tipo "unha".

-Comedouro. Lembrar que a mistura de sementes e os extrusados devem ser oferecidos em comedouros separados.

O mais importante é planejar com detalhes os procedimento que iremos adotar. Os bicudos, como outros animais, apreciam uma rotina bem estabelecida. Horário do banho, da limpeza das gaiolas, composição da dieta, fornecimento de suplemetação não devem ser alterados bruscamente. Principalmente a dieta deve ser objeto de planejamento. Formulação da mistura de sementes, fornecimento de extrusados, receita de farinhada, complementos de vitaminas e aminoácidos, tudo deve ser planejado para que não sofra seguidas variações. A microbiota intestinal se adapta aos alimentos regularmente ingeridos e uma brusca variação no cardápio causa seu desequilíbrio, podendo trazer sérias conseqüências.

Por fim, registre tudo. Todas as observações que possam ser obtidas junto ao fornecedor são importantes. Genealogia, origem, data da aquisição, participação de parentes em torneios, tipo de canto do pai, numero de repetições do pai, data de nascimento,. O registro das informações diárias dos pássaros também é importante. É preciso saber que medicamentos o pássaro já tomou, os sintomas que apresentou, o número de posturas, datas das posturas, filhotes produzidos etc...


Fonte: http://www.cantoefibra.com.br/Artigos/Iniciando.htm

sexta-feira, março 26, 2010


CRIAR É PRESERVAR - SEJA LEGAL, NÃO MANTENHA EM CATIVEIRO AVES RETIRADAS DE SEU HABITAT NATURAL, SEJA UM MANTENEDOR DA ESPÉCIE ATRAVÉS DA CRIAÇÃO LEGALIZADA.

À pedido de alguns amigos, estamos disponibilizando um espaço como fonte de ajuda para os amantes de pássaros e que os desejam adquirir, doar, transacionar e trocar como desejarem, desde que seja de forma legalizada. "Respeitando as politicas impostas pela legislação vigente com relação a criação e manutenção de passeriformes da fauna brasileira.

1ª Norma: - Não haverá comercialização direta dentro desses espaços e nem informação de valores, devendo a finalização de qualquer transação a ser realizada em PVT, por e-mail ou relacionamento direto com o amigo anunciante.

2ª Norma: Para divulgar ou solicitar interesse basta ir na foto da espécie correspondente e deixar um comentário sobre o que deseja, assim sendo, se dará sequência aos devidos interessados pelas informações postadas.

3ª Norma: Quem infringir as regras terá seu anuncio apagado imediatamente por esse moderador e não será mais permitido seus anúncios nestes espaços, pois ficaremos com o perfil do mesmo registrado em nossos cadastros.

NESTE ÁLBUM FICARA EM TESTE POR 30 DIAS, SE FOR BENÉFICO PARA OS AMIGOS AMANTES DE PÁSSAROS, O MESMO CONTINUARA ATIVO, DO CONTRARIO SERÁ EXCLUÍDO.


AT., GAIOLARTES E RAUPP & PÁSSAROS

OBS.: QUEM TIVER OUTRAS ESPÉCIES PARA ANUNCIAR MANDE FOTOS QUE COLOCAMOS NO ÁLBUM, E ASSIM QUE SEUS PEDIDOS FOREM SENDO ATENDIDOS FAVOR EXCLUÍREM SEUS COMENTÁRIOS, SEGUE ABAIXO O LINK:



quarta-feira, março 24, 2010

Trinca Ferro


Nome científico: Saltator similis.

Nome comum: Bico-de-ferro, João Velho, Pixarro.

Distribuição: Da Bahia ao Rio Grande do Sul.

Postura: 2 a 3 ovos.

Habitat: Matas, especialmente a orla.

Incubação: 13 a 14 dias. Fêmeas e jovens: Não há dimorfismo sexual. As fêmeas também cantam e os jovens são iguais aos adultos.

Comportamento e reprodução: São bastante agressivos e territorialistas. Deve ser deixado apenas um casal por recinto. Pode- se tentar a reprodução em viveirinhos de 90 cm de comprimento X 54 cm de profundidade, ou viveiros arborizados. Por não existir diferença entre machos e fêmeas, devido à agressividade, o acasalamento deve ser feito com muito cuidado.

Outras formas: No Brasil existem cerca de onze formas do gênero Saltador, todas relativamente parecidas. Apenas uma das espécies - Saltador atricollis, conhecida por Bico de Latão ou Bico de Pimenta - é bem diferente, pois uma máscara preta desce até a garganta, e o bico é laranja bem carregado.

Tipo de ninho: Em forma de taça. Aceitam perfeitamente ninhos de corda 12 cm de diâmetro.

Tamanho: 20 cm Anel: 3,5 mm

Características: 21,0 cm de comprimento. Trata-se de um dos pássaros nacionais com instinto territorialista mais acentuado. São extremamente valentes na época de reprodução mas no período de descanso costumam ser vistos em bandos. Os cantos mais apreciados em Minas Gerais são o "Bom-dia-seu-chico-boi", "Bom-dia-seu-tio-joão" e o "Curril-curril-boi". Nos torneios mineiros de canto participam das provas de Fibra, Canto Livre e Repetição.


Fonte: http://www.avedomestica.com/

Um pouco sobre os BICUDOS:

O Bicudo,Oryzoborus Crassirostris Maximiliani (Cabanis, 1851), sem sombra de dúvida, é o mais aristocrático dos pássaros canoros. Possui canto melodioso, rico em notas e com voz flauteada. Toma postura ereta ao cantar, com o peito empinado e a cauda abaixada, destacando sua valentia e disposição para disputas territoriais. A frase musical do canto dos bicudos apresenta, por vezes, mais de 20 notas.

Muitos são os dialetos de canto de bicudo, originados nas várias subespécies e em diferentes regiões, pois já foram encontrados do norte da Argentina até o Sul do México. Há quem afirma tê-los visto no sudoeste da África. Já é considerado extinto no estado de são Paulo (Santos et al. 1995) e muito raro em outras regiões.

As subspécies de maior destaque são:

Oryzoborus crassirostris (Bicudinho-belenzinho)
Oryzoborus m. maximiliani (Bicudo-verdadeiro)
Oryzoborus m. gigantirostris (Bicudo-pantaneiro)
Oryzoborus m. atrirostris (Bicudo-do-bico-preto)
Oryzoborus m. magnirostris (Bicudo-pataneiro-grandão).



BOM, PRA NÃO FICAR SEM ESCREVER NADA HOJE, POSTEI ESTE TEXTO QUE RETIREI DE UM AMIGO DO ORKUT, COLOQUEI POR QUE PRETENDO CRIAR BICUDOS NA PRÓXIMA TEMPORADA, ABRAÇO A TODOS.

At.,
Carlos Raupp

segunda-feira, março 22, 2010

Torneio de canto de pássaros é fiscalizado pelo Ibama em Gravataí.


Operação feita em parceria com a Brigada Militar terminou com 20 pessoas autuadas e 31 animais apreendidos.


O Instituto Brasileiro de Meio Ambiente (Ibama) e o 1º Batalhão Ambiental da Brigada Militar realizaram a fiscalização de um torneio de canto de pássaros, na manhã deste domingo, em Gravataí. A operação, que contou com 23 agentes do Ibama e 12 PMs, resultou na autuação de 20 pessoas e na apreensão de 31 animais, a maioria pássaros das espécies coleirinho e azulão.

— Existem, regularmente, esses torneios de canto de pássaros no Estado, legalizados pelo Ibama. Quando fomos fiscalizar esse de Gravataí, identificamos alguns pássaros sem identificação e outros com anilhas com suspeitas de serem falsificadas — diz o capitão Rodrigo, que coordenou os PMs na operação.

Todos os criadores de pássaros devem ter o registro obrigatório junto ao Ibama para participar do torneio de canto, evento também legalizado e fiscalizado pelo instituto. As anilhas são anéis que servem para comprovar que um criador tem aves registradas no Ibama.





ESSA FISCALIZAÇÃO TEM QUE ACONTECER SEMPRE, POIS AQUELAS PESSOAS COMO NÓS QUE CRIAMOS E BUSCAMOS FAZER TUDO CERTO PERANTE A LEI SOMOS DESCRIMINADOS POR UMA MINORIA QUE INSISTE EM FAZER A COISA ERRADA, NÃO ADIANTA TEMOS QUE TER CONSCIÊNCIA E MUDAR ISSO, SENÃO QUEM VAI ACABAR SOMOS NÓS, OS CRIADORES QUE LUTAM CONTRA AS COISAS ERRADAS COMO ESTE EPISÓDIO, LAMENTÁVEL.

domingo, março 21, 2010

Bom este fim de semana, fiz uns rolos com o amigo Cristiano, eu tinha um cardealzinho macho de 11/2009, Filho do meu casal criador e troquei ele por um trinca macho, que precisava para fazer casal com a minha fêmea criadora que estava sozinha, e nesta visita aproveitamos e trocamos também um curió canto praia que ele tinha por uma fêmea filhota de trinca dos últimos filhotes desta fêmea criadora que fiz um casal. Acho que ambas as partes ficaram satisfeitas com a troca.
Sempre quando poder vou falando dos meus pássaros, para que amigos também tenham informação do que esta acontecendo no meu criatório, Hoje tenho na criação, um casal de tico tico, um casal de cardeal, agora um casal formado de trincas, uma fêmea de guaxe (Shakira) que é o xodó da esposa e a Pérola (pimentão) que todos já conhecem das fotos e videos, além é claro da participação dela numa edição da revista: Pássarinheiros e Cia. Do meu amigo Edilson, por hoje é isso, espero poder contar muita coisa daqui pra frente neste Blog e ajudar muitos passarinheiros e reproduzirem também como eu, nesta jornada de paixão e dedicação pelos pássaros, até mais amigos, Abraços.

At,m
Carlos Raupp

sexta-feira, março 12, 2010

Em breve vou colocar minhas idéias sobre minha criação e dividir histórias com amigos passarinheiros, aguardem...