Páginas

Cursos Gratuitos

quarta-feira, setembro 22, 2010

IBAMA - OPERAÇÃO BICHO SOLTO II

Belo Horizonte (21/09/2010) A Operação Bicho Solto II realizada no Alto Paranaíba apreendeu 300 pássaros e aplicou mais de R$ 300 mil em multas. A operação começou no dia 5 de setembro com o Torneio realizado nas dependências da Universidade de Patos de Minas - Unipam, e contou com agentes de Uberlândia, Montes Claros, Belo Horizonte, Juiz de Fora, Governador Valadares e com o Coordenador Geral de Operações do Ibama Roberto Cabral Borges e agentes de Brasília, essa Operação foi denominada Operação Campeão.

Do dia 6 a 11 de setembro, a Operação Bicho Solto II, teve como principal objetivo a fiscalização em criadores de passeriformes registrados no sistema Sispass, onde foram verificadas as relações do plantel do criador e a verificação das anilhas com paquímetros digitais.

Segundo o chefe do Escritório Regional de Uberlândia e Coordenador da operação os resultados obtidos foram satisfatórios, tendo em vista que apenas foram vistoriados criadores de Patos de Minas, Presidente Olegário e Tiros, sendo que a demanda teria que ser feita ainda em outros municípios da região, para se obter um resultado mais abrangente.

Segundo o Coordenador a participação efetiva da Policia Ambiental de Patos de Minas, foi de fundamental importância para os resultados obtidos, pois foram utilizadas as dependências da sede da 10 Cia. Ind. Mat. em Patos de Minas como base da operação e os animais apreendidos encaminhados para o Setor de Animais Silvestres da Universidade Federal de Uberlândia, para futuras destinações a criadores conservacionistas devidamente registrados no Ibama.

Valdo Veloso
Ascom Ibama/MG

terça-feira, setembro 21, 2010

APOIO TOTAL

Bom dia, repasso abaixo a vc, meu caro leitor, importante pronunciamento feito recentemente em Brasília/DF, registrando que eu, Antonio José F. de S. Pêcego, Juiz de Direito, cidadão brasileiro cumpridor de suas obrigações, Criador Amadorista de Passeriformes devidamente cadastrado no IBAMA, um dos Editores deste Blog, dou meu apoio incondional ao brilhante e esclarecedor pronunciamento, parabenizando de público o seu autor que é conhecido como um criador sério e idôneo, esperando que os homens de bem reflitam seriamente sobre o caso e tomem as providências necessárias para que não se acabe com o criador amadorista de passeriformes. Apreciem !

"Senhores parlamentares; senhores candidatos.


E
m meu nome e em nome dos amigos passarinheiros agradeço as vossas ilustres presenças. Sabemos o quanto é precioso o vosso tempo e somos gratos pela oportunidade que nos concedem.
Meu nome é Clóvis Neves, mais conhecido apenas como Neves. Sou Militar da Reserva do Exército, formado em Zootecnia e criador amadorista de pássaros.

Quando o Instituto Chico Mendes, por preciosismo burocrático, embargou a obra de ampliação da DF 150, a sociedade revoltou-se, as lideranças foram acionadas e rapidamente, a situação foi revertida.

Os passarinheiros nunca puderam contar com qualquer apoio no seu relacionamento com o IBAMA. Por culpa exclusivamente nossa, que nunca nos reunimos na busca por essa maior representatividade. Mas o elástico da tolerância chegou ao seu porto de ruptura. Da adversidade da situação surgiu a união e a mobilização da categoria. Compreendemos que é necessário empenharmos os nossos votos com candidaturas que demonstrem um entendimento da política ambiental adequada e estejam dispostos a defendê-la no plenário.

Somos 10 mil criadores legalizados no DF. Mais de 200 mil no Brasil. Para cada criador legalizado há uma centena na clandestinidade. A atividade gera empregos e movimenta a economia. Para compreender sua dimensão basta observar que o Brasil, em 2009, importou mais de 200 milhões de dólares em alpiste, apenas do Canadá e da Argentina.

Em 1 a cada 5 lares brasileiros há, ao menos, um espécime de nossa fauna nativa, a maioria com origem ilegal. Permitir ou proibir pouco altera esse quadro. Está nas raízes de nossa cultura. Em nosso DNA. Quando o colonizador desembarcou em nossas praias já encontrou os índios com os seus xerimbabos (animal de estimação em tupi-guarani).

No cenário internacional a situação é ainda pior. O trafico internacional de animais tornou-se o 3º mais importante, superado apenas pelas drogas e pelo armamento. O IBAMA estima que o Brasil participe desse mercado com 38 milhões de espécimes coletados na natureza.


Mas se não há meios de reduzir essa demanda por animais de estimação, que inclui os nossos silvestres, podemos reduzir a pressão da captura na natureza, reproduzindo em ambiente doméstico as espécies de maior interesse.


Quando alguém adquire um pássaro com origem legal compromete-se com a legalidade e abandona a clandestinidade. Jamais abrirá mão da nova condição adquirida para buscar outros espécimes na natureza. É necessário promovermos uma nova consciência. As pessoas precisam saber que podem ter seus pássaros em casa sem causar qualquer prejuízo à natureza. É imperioso que se crie um ambiente favorável à migração dos que vivem na ilegalidade e desejam buscar a harmonia com a legislação em vigor, pelo bem dos espécimes de vida livre, que devem continuar em liberdade.


A origem de todas as nossas dificuldades no relacionamento com o IBAMA é conceitual.


Até a década de 80 a discussão ambiental procurava estratégias que pudessem manter o que restava do ambiente natural livre da presença humana. Com taxa ZERO de desfrute. Todas as políticas que seguiram o dogma da radicalidade fracassaram.


A humanidade cresce exponencialmente e há necessidade ocupação territorial para novas habitações. A fronteira agrícola se distende para a produção de maior quantidade de alimentos. É um quadro de difícil reversão.


Nos anos 90 o pensamento preservacionista evoluiu a partir do trabalho de cientistas ambientais.

A Conferência das Nações Unidas para o Meio Ambiente e o Desenvolvimento (CNUMAD), realizada no Rio de Janeiro em 1992, conhecida como ECO 92, foi um marco nessa evolução do pensamento mundial, consagrando o conceito de desenvolvimento sustentável.

Como resultado da ECO 92 foi produzido o documento conhecido como Agenda 21, para nortear a política ambiental no âmbito das Nações Unidas.

Este documento foi discutido e negociado exaustivamente entre representantes de 150 países ali presentes, sendo, portanto um produto diplomático contendo consensos e propostas.

Na versão oficial da Agenda 21, publicada pelo Senado encontramos:

Capitulo11, Item 11.20, subitem “h”

(h) Promover e apoiar o manejo da fauna e da flora silvestres, bem como do turismo ecológico, inclusive da agricultura, e estimular e apoiar a criação e o cultivo de espécies animais e vegetais silvestres, para aumentar a receita e o emprego e obter benefícios econômicos e sociais sem efeitos ecológicos daninhos;

Chamo a atenção dos senhores para os verbos empregados no texto oficial: PROMOVER, APOIAR, ESTIMULAR e não apenas permitir ou muito menos restringir.

Nos quadros do IBAMA vem se desenvolvendo uma corrente filosófica contrária a manutenção de espécimes de nossa fauna em ambiente doméstico. Essa corrente ganhou corpo no período em que a senadora Marina Silva esteve à frente do Ministério do Meio Ambiente.

Achamos pouco provável que qualquer um de nós, criador ou técnico do IBAMA, tenha uma visão mais adequada da questão da reprodução de silvestres em ambiente doméstico do que a dos cientistas que representaram suas nações nas diversas convenções promovidas pela ONU.

Ainda que um técnico do IBAMA tenha um pensamento discordante, não poderá enquanto funcionário público, valer-se de suas prerrogativas funcionais para militar em ideologia contrária a política determinada pelo Estado.

O apoio do IBAMA à campanha recentemente lançada pela WSPA com o slogan SILVESTRE NÃO É PET é a negação da Agenda 21.

Temos exemplos claríssimos dos resultados da criação ex-situ de silvestres como elemento de apoio a preservação das espécies:

A Ararinha Azul (Cyanopsita spixii), não teve sua reprodução em cativeiro autorizada. Está extinta no Brasil. Um casal pode ser adquirido em criatórios nos EUA, Europa e Oriente Médio, por preços que variam de US 50.000,00 a US 80.000,00.

O Bicudo ( Oryzoborus Maximiliani) está praticamente extinto na natureza. Teve sua reprodução em cativeiro autorizada e já podemos contar com uma quantidade de pássaros registrados 10 vezes maior do que toda a que já existiu em vida livre. Em 2008, através da COBRAP, os criadores ofereceram ao IBAMA a quantidade de espécimes que o órgão julgasse necessária para repovoamento de áreas preservadas. O IBAMA recusou nossa oferta alegando não ter estrutura para conduzir o necessário processo de readaptação para a soltura das aves.

Se o IBAMA assume não ter estrutura sequer para reintroduzir espécimes que os criadores amadoristas produziram, como espera garantir a perpetuação das espécies ameaçadas de extinção. A menos de 10 km da sede do IBAMA, várias áreas de preservação ambiental estão tomadas por condomínios residenciais. Se o IBAMA não conseguiu proteger áreas tão próximas, o que podemos esperar nas regiões mais distantes?

Os radicais argumentam que a manutenção e reprodução de silvestres em cativeiro estimulam a demanda e leva outras pessoas a coletarem espécimes na natureza. É justamente o contrário. Nas convenções promovidas pela ONU ficou evidente o entendimento da comunidade internacional de que reprodução em cativeiro concorre com o tráfico e reduz a pressão de captura na natureza.

Os radicais argumentam que muitos criadores empregam as anilhas que recebem do IBAMA para esquentar pássaros capturados na natureza. É certo que em nosso meio existem bandidos travestidos de criadores, que se valem do registro na categoria para praticar delitos. Também é certo que vários funcionários do IBAMA se envolveram em falcatruas com distribuição de anilhas e com o licenciamento ambiental. Nem por isso tomaremos a parte pelo todo. Não podemos considerar que o IBAMA seja uma instituição corrupta nem que os criadores de pássaros sejam traficantes de aves.

O IBAMA, em absoluta contradição com a política ambiental adotada pelo Estado, ao invés de PROMOVER, vem minando a atividade.

Proíbe que pássaros produzidos por criadores amadoristas sejam comercializados. Autoriza apenas as trocas. Alega impedimento tributário. Como se fosse da alçada do IBAMA a preocupação com tributos.

A portaria Nr 131 de 1988 reduziu a possibilidades dos criadores amadoristas aos passeriformes. Não podemos dede então, criar psitacídeos ou outras aves.


A portaria Nr° 631, de 18 de março de 1991, limitou a possibilidade de criação a 316 espécies.

A Instrução Normativa Nr 01, em 24 de Janeiro de 2003, reduziu para 151espécies autorizadas.

Uma minuta da próxima portaria que está para ser publicada extingue o criador amadorista e cria a figura do mantenedor, que não poderá dedicar-se a reprodução.

Obriga todos os que desejarem reproduzir nossos silvestres a migrarem para a condição de criador comercial.

A publicação dessa Instrução Normativa será o derradeiro golpe na atividade de reprodução ex-situ dos nossos silvestres. Poucos terão a estrutura necessária ou interesse em migrar para a categoria de criador comercial.

Não haverá demanda para as fêmeas produzidas pelos criadores comerciais.

É chegado o tempo da sociedade, através de seus representantes no Congresso Nacional, decidir se está certo o IBAMA com sua política restritiva ou estão certos os especialistas internacionais que produziram os documentos que orientam as políticas ambientais no âmbito das Nações Unidas.

Isso enquanto há espécimes a serem preservados.

Muito Obrigado. "


Criar: Privilégio de alguns

sexta-feira, setembro 17, 2010

Reunião dia 19/09/2010 - com os criadores de Trinca - Ferro.

REUNIÃO de Trinca Ferro dia 19/09/2010
Local: Rua: Mario da Costa Pereira, nº 105
Bairro Granja EsperançaSalão da Igraja Santa Clara
Cachoeirinha / RS

O treinamento servira para esclarecer as regras e normas aos associados da CPC-RS e outros clubes, para fins de torneio oficial para o proxímo ano, estaremos reunidos neste dia para que haja o exclarecimento de algumas duvidas de criadores, o clube tambem explicara as normas que serão adotadas, desde seus juizes de pista e comissão julgadora para análises de anéis para a competição. A CPC-RS Agradeçe a todos os amigos e associados que estão se empenhando para que haja seriedade e respónsabilidadea todos os criadores do nosso Estado e regiões. Nelson Arrué Pres: Da CPC-RS.

Os criadores e associados a CPC-RS só poderam comparecer com seus pássaros (Trinca - Ferro) Mediante de sua relação e guia de transportes, Mediante a nossa troca de experiencia, não serão aceito outros pássaros no Ginasio. No final de nossa reunião estaremos confratenizando com um churrasco com os amigos e associados.

Telefone para informações: 8476-4161 - Nelson QUE FIQUE CLARO QUE NÂO SE TRATA DE TORNEIO MAIS SIM DE UMA REUNIÂO ENTRE AMIGOS PARA TROCA DE EXPERIENCIA. NOSSAS DATAS DE TORNEIOS PARA O PROXÌMO ANO ESTARÂO A PARTIR DO FINAL DE SETEMBRO NO SITE NOSSA PREVISÂO È PARA O DIA 07 DEJANEIRO DE 2011.

Polícia apreende mais de cem filhotes de papagaio e maritaca em SP.

terça-feira, setembro 14, 2010

País Livre - OPINIÃO SOBRE A NOVA NORMATIVA

Falta humildade, entendimento e lucidez, tantas coisas para os tantos que falam da nova normativa (ATÉ EU), tão nova que praticamente não existe, e.... pasmem, NAO EXISTE, isso mesmo, enquanto não for publicada, estamos sofrendo, quase que nos suicidando sem ao menos saber o verdadeiro teor de tal suposta normativa, vejo aqui no site (COBRAP) e em vários bate papos verdadeiros horrores, pedidos angustiantes antevendo a morte de nossa classe, muitos inclusive abandonando totalmente o barco, que não ha mais saída, e me lembrei quando há anos atrás surgiu a idéia, que naquela época, era absurda, de que toda ave deveria usar um anel inviolável, que este deveria ser fornecido pelos clubes (e hoje pelo IBAMA) e que tal procedimento causaria o final da nossa classe, pois lembrando disso peço calma, o IBAMA apesar de seus altos e baixos, deseja o mesmo que nos, a preservação, e tais normativas no final causam sim uma moralização, e isso, nos todos devemos assumir ser necessário, pois já e tempo de acabar com anilhas clonadas, pedidos infindáveis de anéis de filhotes, e verdadeiros indústrias de criadores mascarados entre "amadores", apesar de achar complicado comentar sobre o que é incomentavel, pois ainda inexiste, partindo do principio que tal normativa e sua varias versões (só eu recebi 3 diferentes supostas originais), me prendo aos pontos que vi serem recorrentes nas varias manifestações e que julgo importantes...


1- criadores com mais de 50 pássaros ou produção maior que 50 filhotes devem se tornar comerciais sem nenhuma regalia... NADA MAIS JUSTO, QUEM HOJE TIRA MAIS DE 50 FILHOTES OU TEM MAIS DE 50 PASSAROS, NAO É MAIS AMADOR, TEM PRODUÇAO PRATICAMENTE INDUSTRIAL DE PASSAROS E DEVE SE LEGALIZAR PARA TAL.


2-criadores com menos de 50 pássaros e que desejam tirar filhotes devem se tornar comerciais, mas com uma serie de "facilidades", como a não necessidade de tratos burocráticos que incidem para os demais criadores comerciais... ONDE ME ENCAIXO, NUNCA VI O IBAMA FACILITAR TANTO, MAS SE AO NOS IMPOR A MIGRAÇAO PARA COMERCIAL, ELES NOS ABRIREM TAL LEQUE DE FACILIDADES, NAO ENTENDO COMO AINDA TEM GENTE RECLAMANDO, VAMOS MIGRAR LOGO E SAI DA CLANDESTINIDADE, PODENDO NEGOCIAR NOSSA PRODUÇAO E SANAR O CUSTO DA CRIAÇAO, POIS HOJE SO NOS E DADO O DIREITO DE TROCAR NOSSOS PASSAROS.


3-criadores que por ventura não desejam reproduzir suas aves, que sigam como amador ou "mantenedor"... LENDO ISSO COMO ALGUEM PODE AFIRMAR QUE EXISTIRA A EXTINÇAO DOS AMADORES, LOGICO, QUE OS NOVOS CRIADORES, NAO PRECISARAO SE CADASTRAR COMO AMADORES, POIS AO ADQUIRIREM PASSAROS SERA COM NOTA FISCAL, JA QUE SO EXISTIRA FIHOTES PROVENIENTE DE CRIADORES COMERCIAIS.



Com base nestes 3 pontos analisando o material que recebi, foi visto como o mais recorrente, portanto, mais próximo de uma verdade desta suposta nova normativa... Fica aqui a solidariedade ao mais desesperados e afirmo a maior certeza que carrego comigo, o IBAMA nunca teve e nunca terá força para acabar com os criadores, somos uma classe pouco unida, muito pouco organizada mas extremamente abundante, duvido algum município que não tenha criadores, portanto, nunca seremos ignorados de tal maneira a ponto de nos calarem... Quanto a necessidade de tal normativa, sou a favor de um tratamento de choque, pois somos muito sagazes para reclamar de falta de anilhas mas não ponderamos os muitos e muitos que hoje pedem anéis sem nunca ter reproduzidos nem um único filhote e que entopem a fila por tal, ou que o IBAMA é arbitrário ao chegar e nos tratar como bandidos mas somos complacentes com criadores irregulares, com pássaros com anel irregular e quem ainda permanece com praticas irregulares e mesmo assim os mesmos são aceitos em diferentes níveis de nossas atividades, sejam elas torneios, badernas, ou ate mesmo o criador da vizinhança que mantemos contato , enfim, hoje somos joio e trigo, e somente um divisor de águas para separar e moralizar nossa categoria, pois vivemos tempos em que os bons pagam pelos maus, e nada acontece... depois do raciocínio, arrisco a afirmar junto aos meus amigos ...


SIM A UMA NOVA NORMATIVA NESSES MOLDES, SOU A FAVOR.


Agradecido a quem leu meu manifesto.


Rodrigo de Poa/RS

segunda-feira, setembro 13, 2010

NOSSOS CANDIDATOS - BANCADA FEDERAL

AGORA É A HORA...

Outubro tá chegando amigos,temos de nos mobilizar e formar uma bancada forte com os nossos candidatos a deputados federais pelo Brasil afora. Só com uma bancada ECO-PASSARINHEIRA forte e atuante poderemos reverter a nosso favor os "desmandos" de ongs embutidos no Ibama e que estão contra a nossa classe passarinheira.Temos nessa eleição mostrarmos que somos muitos e unidos no mesmo ideal.Vamos divulgar ao máximo nossos candidatos entre os contatos de e-mail,msn,orkut, blog e afins da net.

























Prezados, esses são os nossos candidatos à Bancada Federal nos
respectivos estados:

AP - Davi Alcolumbre - 2580
BA - José Carlos Araújo - 1200
DF - Laerte Bessa - 2010
ES - Marcus Vicente - 1145
GO - Sandro Mabel - 2233
MG - Flávio Barbosa - 1789
MS - Fábio Trad - 1580
PA - Catarino Lima - 1570
PR - Moacir Micheletto - 1512
RJ - Otávio Leite - 4555
RO - Marinha Raupp - 1515
RS - Luiz Carlos Heinze - 1144
SC - Valdir Colatto - 1516
SP - Nelson Marquezelli - 1434

MINUTA DA INSTRUÇÃO NORMATIVA IBAMA.

Colegas, a nova IN ainda e somente uma minuta, ou seja, não foi homologada e pode ter alterações, no entanto ela em seu conteúdo atual resa que não mais existira criadores amadores. (Reprodução Amadora).







Caros colegas de grupo,
o texto da IN é inaceitável na sua quase totalidade.
Trabalharemos em um texto substitutivo, em que a primeira e fundamental premissa é a de que a criação amadora permanecerá existindo. Iremos rever também todos os dispositivos propostos que inviabilizam, na prática, nossa atividade. Foi para isto que nos reunimos em São Paulo ontem, sexta-feira (10/09).
Repito: nem a Marina Silva conseguiu acabar com a classe, embora seus discípulos tenham se esforçado bastante para isso. Não é lógico que agora, quando parece existir gente séria em setores estratégicos do IBAMA, os amadores sejam demonizados de novo.
A empreitada, neste momento, é evitar a aprovação desse texto esdrúxulo, é resguardar o legítimo direito de criar pássaros em regime amadorístico. E destravar o licenciamento comercial, para que os interessados em trabalhar em larga escala possam finalmente se tornar criadores comerciais.
Já advirto que não será uma luta fácil. O IBAMA possui uma estrutura de poder diversificada, extremamente ambígua e ainda hoje existem radicais exercendo cargos de prestígio lá dentro. A proposta de IN que vocês viram ontem é uma colcha de retalhos composta por diversos setores internos, em que a voz mais ouvida foi justamente a desses radicais. São as mesmas pessoas com as quais temos travado embates enérgicos nestes últimos anos, servidores contra os quais inclusive formulamos representações administrativas para fins disciplinares, representações na Controladoria Geral da União, representações na Procuradoria Geral da República.
As visitas que fizemos a Brasília, as reuniões que tivemos no IBAMA, no CONAMA, as caravanas de criadores a Brasília e a São Paulo, a papelada que temos feito chegar às instâncias mais diversificadas do poder, inclusive uma ou outra medida judicial, enfim, tudo que fizemos nos últimos anos tem servido para segurar os radicais. Tentaram revogar a IN de amador, tentaram empurrar goela abaixo uma "lista pet" com 6 espécies de pássaros, tentaram inviabilizar a criação com a regulamentação maluca de "maus tratos" e outra sobre "tamanho dos recintos", tentaram acabar com os torneios, tentaram desmoralizar a COBRAP com multas e fiscalizações. Todas estas tentativas fracassaram. E não foi por acaso: os criadores de pássaros se mobilizaram, deram o grito de variadas formas, buscaram e obtiveram apoio político. Desde então, aconteceram coisas inéditas: fomos recebidos pelos órgãos internos mais importantes do IBAMA, fomos recebidos pela Presidência do IBAMA, fomos recebidos até pela Ministra do Meio Ambiente, além de sermos defendidos no Plenário da Câmara dos Deputados.
Mas os radicais não se dão por vencidos nem se darão jamais. Eles não trabalham com base na Constituição ou na lei, eles atuam com base em uma ideologia, a "eco-terrorista". Nós temos a nossa "paixão" "eco-passarinheira" e eles têm a deles, "eco-terrorista"... A diferença é que nós somos o "povo" e eles a "Administração Pública", que, em tese, apenas deveria fazer aquilo que está determinado na lei (a criação está permitida e deve até ser incentivada pelo governo...).
Não considerem o texto divulgado como o texto final da Instrução Normativa. Ele é apenas "um" projeto de IN: é a proposta dos radicais. Agora, entraremos com a nossa proposta, com a nossa redação, que buscará preservar nossos legítimos direitos.
Como disse antes, a luta vai ser difícil. Preparem-se para possíveis caravanas e para novas formas de manifestação e de pressão.
Precisaremos, como nunca, da união da classe, da confederação e das federações em torno de um objetivo comum: a sobrevivência da categoria amadora. Precisaremos, como nunca, que os criadores não sejam confundidos com aqueles que estão na ilegalidade.
E precisaremos também de muita fibra para não permitir que nossos legítimos direitos sejam violados pela minoria radical de pessoas que se escondem atrás do IBAMA para fazer valer sua vontade íntima.
Vamos à luta!
É minha opinião pessoal.
Abraço,
Allan / Cobrap.


sexta-feira, setembro 10, 2010

CPC-RS - Club de Passarinheiros de Cachoeirinha - Informacões.

REUNIÃO de Trinca Ferro dia 19/09/2010
Local: Rua: Mario da Costa Pereira, nº 105
Bairro Granja EsperançaSalão da Igraja Santa Clara
Cachoeirinha / RS

O treinamento servira para esclarecer as regras e normas aos associados da CPC-RS e outros clubes, para fins de torneio oficial para o proxímo ano, estaremos reunidos neste dia para que haja o exclarecimento de algumas duvidas de criadores, o clube tambem explicara as normas que serão adotadas, desde seus juizes de pista e comissão julgadora para análises de anéis para a competição. A CPC-RS Agradeçe a todos os amigos e associados que estão se empenhando para que haja seriedade e respónsabilidadea todos os criadores do nosso Estado e regiões. Nelson Arrué Pres: Da CPC-RS.

Os criadores e associados a CPC-RS só poderam comparecer com seus pássaros (Trinca - Ferro) Mediante de sua relação e guia de transportes, Mediante a nossa troca de experiencia, não serão aceito outros pássaros no Ginasio. No final de nossa reunião estaremos confratenizando com um churrasco com os amigos e associados.

Telefone para informações: 8476-4161 - Nelson

QUE FIQUE CLARO QUE NÂO SE TRATA DE TORNEIO MAIS SIM DE UMA REUNIÂO ENTRE AMIGOS PARA TROCA DE EXPERIENCIA. NOSSAS DATAS DE TORNEIOS PARA O PROXÌMO ANO ESTARÂO A PARTIR DO FINAL DE SETEMBRO NO SITE NOSSA PREVISÂO È PARA O DIA 07 DE JANEIRO DE 2011.



xxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxx


Dando seguimento ao acordo firmado em 19.05.10, com os deputados da “Bancada Eco-Passarinheira” da Câmara Federal e lideranças dos passarinheiros de todo o Brasil, nesta data de hoje, estiveram reunidos em Brasilia na DBFLO/COEFA com o Dr. Vitor Hugo Cantarelli e posteriormente com o Dr. Américo Tunes, os presidentes da FEOSP José Vilmar Fernandes, da COBRAP Aloísio Pacini Tostes e a Assessora do Deputado Nelson Marquezelli Teresa Amorim. Na oportunidade, foram discutidos diversos assuntos de alto interesse da classe que , neste momento, afligem grande parte dos criadores. Para conhecimento de todos, estão enumerados abaixo cada um deles e os encaminhamentos sugeridos, a saber:

a) Anilhas - O processo de licitação está finalizado e deverá estar concluído até o dia 02/ 09, prevendo-se a regularização da distribuição para final de setembro;

b) Boletos Pagos – A FEOSP no Estado de São Paulo, assim como as Federações de outros Estados , ou os próprios Clubes/Associações, onde não houver Federação Estadual, ficaram encarregados de enviar, por email , relação de seus criadores associados com Nome, CPF, CTF e Data do Pagamento do Boleto para que sejam desbloqueados, o mais rápido possível;

c) CTF Emissão de RelatórioProblema surgido na SUPES MG , segundo recomendação da COEFA a situação deve ser normalizada em breve visto que, o sistema gera automaticamente o relatório e assim deverá ser feita a regularização cadastral;

d) NOVA IN – Em curtíssimo prazo, a DBFLO enviará oficialmente, proposta de texto a COBRAP a ser discutido com todas as lideranças organizadas do segmento ornitofílico que poderão propor eventuais sugestões alterações/ajustes no documento.

segunda-feira, setembro 06, 2010

IBAMA - OPERAÇÃO ALÇAPÃO NO VALE DO ITAJAÍ

Florianópolis (03/09/2010) - O Ibama em Santa Catarina deflagrou a Operação Alçapão, que ocorre na região do Vale do Itajaí, e visa ao recolhimento de aves mantidas de forma irregular. Desde o último dia 10 de agosto, quando a operação começou, o Ibama já multou R$ 1.203.000,00.
A partir de análises do – Sistema de Cadastro de Criadores de Passeriformes – Sispass, os agentes do Ibama monitoram os criadores com maior possibilidade de irregularidades, com isso, segundo o chefe da Divisão de Controle e Fiscalização do Ibama/SC, Carlos Ribeiro, a fiscalização se torna mais precisa e eficiente.
Na sua segunda etapa, que começou dia 30 de agosto e vai até o final de setembro, a operação apreendeu 19 pássaros silvestres mantidos irregularmente por um criador amadorista, que foi multado em R$ 9.500,00. Embargou um criador comercial de animais silvestres que estava desenvolvendo a atividade em desacordo com a licença, o valor da autuação foi de R$ 55.500,00.
Outro embargo se deu a um criador conservacionista, com multa de R$ 550 mil. Dentre as irregularidades constatadas, havia animais sem marcação de origem, fabricação irregular de anilhas e, um “zoológico irregular”, constatado pelo livre acesso ao criadouro de hóspedes do hotel que funciona no mesmo local.
Houve também a autuação de uma pessoa que expunha animais à venda na internet, sem a licença do Ibama, com multa de R$ 35 mil. Os fiscais autuaram ainda o proprietário de uma agropecuária que mantinha 84 aves silvestres exóticas sem origem legal e sem licença para criação. Dentre as espécies apreendidas estavam ring-necks e roselas. O homem recebeu multa de R$ 254 mil e o Ibama vai encaminhar a denúncia ao Ministério Público, para que ele responda pelos crimes de possuir espécies sem procedência e trazer para o país animais sem autorização.
Todos os animais apreendidos na operação estão sendo encaminhados ao Centro de Triagem de Animais Silvestres – Cetas, do Rio Vermelhe, em Florianópolis.
O valor das multas varia conforme a ave: as não ameaçadas de extinção é de R$ 500 e, para as ameaçadas, R$ 5 mil.
“Tão importante quanto nossos sistemas e serviços de controle, é a fiscalização da população, que através de denúncias nos leva a locais onde crimes ambientais estão sendo praticados. As pessoas podem denunciar toda e qualquer irregularidade percebida sem haver a necessidade de se identificar. Com isto se diminui a incidência de práticas irregulares em relação à fauna e flora”, diz Ribeiro.
As denúncias ao Ibama podem ser feitas por meio da Linha Verde, cujo número é 0800-618080.
Badaró Ferrari
Ascom Ibama/SC

quarta-feira, setembro 01, 2010