Páginas

Cursos Gratuitos

quinta-feira, abril 16, 2015

UFRGS terá espaço para recuperação de passarinhos silvestres.

Acordo de cooperação assinado com o IBAMA vai direcionar aves apreendidas para recuperação pela Faculdade de Veterinária.





UFRGS e IBAMA firmaram nesta manhã um acordo de cooperação para destinar aves apreendidas pelos órgãos de fiscalização para reabilitação na Faculdade de Veterinária da UFRGS. A intenção é que ainda este ano seja construído um viveiro e inicie a recuperação das aves.
O viveiro terá 1,5 mil metros cúbicos, e será construído, em área da UFRGS (ao nordeste da FAVET, próximo ao projeto de Energia Solar), com R$ 250 mil em recursos destinados por empresa licenciada do ramo florestal. O diretor da FAVET Emerson Contesini espera ainda este ano ver o projeto em pleno funcionamento. A ideia é integrar estudantes de graduação e pós-graduação em atividades de ensino, pesquisa e extensão que produzam conhecimento a respeito da recuperação das aves de diferentes espécies, focando, inicialmente, em pássaros não ameaçados, como canários, azulões e cardeais. Antes de serem destinados à UFRGS, os animais passarão pela triagem do IBAMA, que também acompanhará o desenvolvimento dos trabalhos de recuperação.
Coordenador do projeto, o professor Cláudio Cruz explicou, durante a sessão de assinatura do acordo, que a recuperação dos passarinhos abrange pelo menos três pontos principais: reaprender a temer a interação com humanos, reaprender a voar e a reintrodução da dieta natural. A partir do desenvolvimento dos trabalhos, podem ser gerados protocolos científicos a serem empregados em futuros casos, abrindo espaços para pesquisas acadêmicas.
A reintegração dos passarinhos deve ser realizada em espaços de preservação florestal. Uma vez lá colocados, os animais contribuem para a renovação e crescimento das florestas, levando sementes dos vegetais de um lado para outro. Segundo os técnicos do Instituto, Maurício Souza e Paulo Wagner, milhares de pássaros são apreendidos anualmente pelos órgãos de fiscalização no RS, mas nem todos serão destinados à UFRGS. A ideia é iniciar o trabalho em pequenas quantidades, de acordo com as condições de acompanhamento que as equipes da UFRGS terão para desenvolver tanto o estudo dos processos quanto a recuperação e reintrodução dos animais. Segundo eles, um fator importante para a construção de conhecimento sobre a reabilitação é a participação de estudiosos de outras áreas, como da Biologia ou mesmo das Engenharias, uma vez que até o desenvolvimento de tecnologias de monitoramento das aves pode ser interessante para os estudos.
Na cerimônia desta manhã, o superintendente do IBAMA no RS João Pessoa Riograndense Moreira Júnior chamou atenção para uma alteração recente nas normas de destinação dos animais apreendidos (Instrução Normativa 19 de em 19/12/2014), que priorizou a reinserção no ambiente natural. “Estamos dando exemplo para o país inteiro com esse convênio”, apontou o superintendente, tendo em vista a rápida resposta das instituições à alteração legal.
Ao pronunciar-se, o reitor Carlos Alexandre Netto reforçou a sua posição sobre a necessidade da UFRGS se envolver com demandas e atender a sociedade através de convênios e contratos. Segundo o reitor, a Universidade vive de desafios, e convênios sobre temas fundamentais, como a recuperação da fauna, são um motivador para que seja produzido conhecimento novo. Netto disse que, no que depender de sua gestão, os convênios e contratos serão continuados e multiplicados. “São novos desafios. É assim que a Universidade se nutre”, disse.

Nenhum comentário:

Postar um comentário